Bruxelas aprova proposta de Portugal e Espanha para limitar preços da eletricidade

Bruxelas aprova proposta de Portugal e Espanha para limitar preços da eletricidade

Portugal e Espanha tinham proposto fixar em 30 euros por MWh o preço para o gás na produção de eletricidade, mas a Comissão Europeia determinou que o teto é de 40 euros.

Bruxelas deu luz verde à proposta ibérica para limitar os preços do gás natural usado para a produção de eletricidade. No entanto, o preço inicial definido pela Comissão Europeia é de 40 euros por MWh, ao passo que os dois países tinham proposto 30 euros por MWh.

O anúncio foi feito esta terça-feira pelo ministro do Ambiente, Duarte Cordeiro, e pela ministra espanhola para a Transição Ecológica, Teresa Ribera, numa conferência de imprensa em Bruxelas. A medida deverá começar a produzir efeitos em maio.

“Portugal e Espanha alcançaram hoje um acordo político com a Comissão Europeia depois de semanas muito intensas de trabalho, que exigiram um trabalho técnico muito difícil, mas que permitiu ter hoje avanços muito significativos e chegar a um resultado muito satisfatório”, destacou Duarte Cordeiro.

O acordo, explicou, consiste na criação de um mecanismo temporário que permite desassociar a formação do preço da eletricidade na Península Ibérica do preço do gás. O mecanismo “permite defender os consumidores que estavam expostos ao mercado”, acrescentou o ministro.

O mecanismo terá uma duração de 12 meses, durante os quais será fixado um preço médio do gás de 50 MWh, mas terá início nos 40 euros. Ao longo dos 12 meses, irá evoluir até chegar aos 50 euros. O preço ronda atualmente os 90 euros por MWh.

De acordo com informação publicada, mas não oficial, a proposta ibérica inicial apontava para um teto inferior de 30 euros por MWhora, o que resultaria num preço no mercado grossista de 110 a 120 euros por MWhora. Mas a negociação europeia resultou num limite superior, que ainda assim irá garantir poupança nas compras de eletricidade no mercado spot — preços de mercado com o CO2 rondarão os 140 euros por MW hora face a preços médios de mercado de 200 euros por MW hora.

Falta saber em concreto como serão repartidas as receitas entre vendedores e compradores de forma a evitar a criação de um défice tarifário, se existe uma compensação às centrais a gás que será paga à custa dos ganhos das renováveis, e que poupanças o novo modelo irá permitir aos consumidores dos dois lados da fronteira. No início de abril, os presidentes de várias empresas do setor enviaram uma carta a Bruxelas na qual alertavam que a proposta é mais favorável para os consumidores espanhóis do que para os portugueses, e que estes até poderão acabar a pagar mais.

“Todos os consumidores serão beneficiados e nenhum será prejudicado e os consumidores que estão expostos e beneficiarão deste mecanismo serão também aqueles que vão suportar o custo do mecanismo”, referiu Duarte Cordeiro, explicando que, “assim que o mecanismo entrar em vigor, todos os consumidores que estão expostos beneficiarão de uma redução do preço da fatura”.

Segundo o ministro, “o ganho médio durante este período, se o preço do gás continuar elevado, será muito significativo”. Nos últimos dias não tem sido o gás a marcar o preço no mercado ibérico, referiu Duarte Cordeiro.

Questionado pelos jornalistas, o ministro do Ambiente adiantou ainda que Portugal e Espanha alertaram a Comissão Europeia para a necessidade de “repensar” a formação do preço, porque este mecanismo é temporário. “Fica evidente que existe aqui uma lacuna, ou uma falha, que ou se corrige na formação do preço ou se corrige nas interligações. Há vários aspetos que têm de estar interligados para o futuro na formação dos preços no mercado ibérico”, concluiu.

A ministra espanhola corroborou que o tema das “baixíssimas interligações” entre a Península Ibérica e o resto da Europa “é a principal restrição para que os consumidores possam desfrutar das vantagens do mercado interno de eletricidade”, sendo isso que justifica, juntamente com o elevado nível de renováveis, que os dois países beneficiem desta exceção temporária no funcionamento do mercado.

Teresa Ribera acrescentou que os dois países esperam que “nos próximos dias”, depois de estar completo todo o procedimento, será possível ter o apoio da Comissão para que o mecanismo seja implementado “imediatamente”. A comunicação formal com as autoridades europeias deverá estar concluída até ao final da semana. No caso de Espanha, a medida poderá ser levada a Conselho de Ministros na próxima semana, e será materializada nas faturas dos consumidores em maio, afirmou Teresa Ribera. Duarte Cordeiro acrescentou que os timings nacionais serão idênticos, dependendo da capacidade de resposta de Bruxelas ao envio de informação por parte dos dois países.

A ministra espanhola sublinhou igualmente que o mecanismo está pensado para “reforçar a proteção dos consumidores que têm um nível de exposição mais alto ao mercado grossista de eletricidade”, tanto os domésticos como os industriais.

 

Ver noticia original
Da sala à cozinha, como escolher a iluminação ‘certa’ para cada divisão

Da sala à cozinha, como escolher a iluminação ‘certa’ para cada divisão

Ter um bom sistema de iluminação em casa é essencial para transmitir as sensações corretas em cada ambiente, proporcionando conforto e clareza para garantir a saúde dos seus olhos, além de também ser uma forma de valorizar o imóvel e torná-lo mais acolhedor, por exemplo. No entanto, o tipo de iluminação vai variar consoante a divisão da casa. Saiba que luzes que devem constar em cada tipo de espaço, bem como a sua disposição.

 

Cozinha

Nesta divisão o mais importante é apostar numa iluminação geral no centro da divisão, capaz de aclarar todos os cantos da cozinha. Nesse sentido, poderá também acrescentar pequenos feixes de luz por cima do fogão, do lava louças ou de algum específico onde trabalhe com regularidade.

Sala de estar

A sala de estar pede um tipo de iluminação suave, não concorda? No entanto, este deve contemplar toda a divisão. É importante posicionar luzes de destaque em certos ponto chave, não só para criar mais luz, mas para também tornar o seu uso mais eficiente.

Saliente-se que não deve colocar pontos de luz por cima de sofás, poltronas, pufes ou quaisquer outros locais de descanso.

Casa de banho

Já na casa de banho poderá apostar em dois tipos de iluminação, uma geral e uma de tarefa, situada no espelho. Também poderá utilizar uma luz difusa ou indireta próxima do espelho, para que assim o seu rosto fique iluminado de forma uniforme e sem sobras.

Quarto

No quarto, opte por investir num sistema que lhe permita desligar tanto a luz geral como as luzes da mesa de cabeceira, a partir da cama. Mas não se esqueça que a luz deve ser suave, não devendo ser projetada diretamente na cabeceira da cama.

Sala de jantar

Por fim, na sala de jantar, o ideal será optar por candeeiros suspensos, para que dessa forma consiga criar um sistema de iluminação de tarefa sobre a sua zona de refeições.

 

Ver notícia original
Com a Páscoa à porta, tome nota de sete dicas para poupar em casa

Com a Páscoa à porta, tome nota de sete dicas para poupar em casa

A Páscoa aproxima-se e, para muitos, esta é a altura de reunir a família à mesa. Mais pessoas em casa pode significar também uma fatura energética mais ‘pesada’.

Nesta sentido, a Selectra apresenta sete dicas que podem ajudar a reduzir as suas despesas nesta Páscoa. Tome nota:

1. Controle a temperatura de sua casa

“Providenciar um ambiente confortável não significa ter de ligar o aquecimento para valores semelhantes aos de um dia de verão! Isto é, uma temperatura média de 20ºC deverá ser mais que suficiente para garantir um ar ameno, principalmente se não existirem fugas de ar dentro da área que pretende aquecer.”

2. Limite o consumo de dispositivos eletrónicos

“A Páscoa caracteriza-se por momentos de união em família, certo? Então dê continuidade a esta tradição e deixe os dispositivos eletrónicos de lado neste dia. Para além de ser uma oportunidade para conviver com os seus entes mais próximos, é também uma excelente forma de poupança de energia!”

3. Privilegie a iluminação natural

“Se o dia assim o permitir, abra as cortinas de sua casa e deixe que o sol ilumine o seu interior. Não são raras as vezes que ligamos as luzes antes de anoitecer, sem sequer considerarmos esta hipótese mas, de facto, para atividades que não requerem grande esforço ocular, a iluminação natural é perfeitamente capaz de assegurar essa função. E agora que entrámos recentemente no horário de verão, as oportunidades para poupar energia são ainda maiores!”

4. Torne as descargas de autoclismo, mais eficientes

“Se está à espera de receber visitas durante estes dias, é provável que o número de descargas do seu autoclismo dispare. Mas sabia que só o simples ato de encher uma garrafa com água e colocá-la dentro do depósito, consegue aumentar consideravelmente a sua eficiência energética? E para além disso, tem ainda a vantagem de reduzir a quantidade de água que é libertada em cada descarga.”

5. Tenha atenção às panelas que utiliza

“Cada panela tem o seu lugar no fogão! Ou, melhor dizendo, os tachos pequenos destinam-se às bocas mais pequenas e as maiores, ocupam os espaços superiores. Isto porque, ao utilizar uma panela que não se adeque ao tamanho do fogão, muita energia acaba por ser desperdiçada, sendo que nem sequer contribui para que os alimentos sejam confecionados mais rapidamente.”

6. Ligar o fogão no máximo, não ajuda a cozinhar mais depressa

“Quando se atrasa a confecionar o almoço, o seu primeiro instinto é colocar a potência do fogão no máximo? Fique a saber que isso não acelera automaticamente o processo! A melhor maneira de garantir que tem o almoço preparado a horas para receber a sua família, é cortando os alimentos em pedaços mais pequenos e tapando a panela durante a sua confeção. Desta forma, poupa não só tempo como também energia!”

7. Deixe a tarefa de lavar a loiça para a máquina!

“Depois de almoço, é natural que alguém se ofereça para lavar a loiça, mas o melhor é mesmo recusar gentilmente essa oferta já que, utilizar a máquina é consideravelmente mais barato e gasta muito menos recursos. No entanto, para que este aparelho possa ser totalmente eficiente, deve ser utilizado na sua capacidade máxima e de preferência, num programa ‘eco’ que consegue reduzir o consumo de eletricidade em até 45%.”

 

Ver notícia original

 

Casa eficiente: Cinco passos para pedir o certificado energético

Casa eficiente: Cinco passos para pedir o certificado energético

Uma casa eficiente é também uma casa que permite alguma poupança, já que permite um consumo energético mais eficiente. Ora, medir o nível de eficiência energética de uma casa é essencial para perceber como a pode melhorar e poupar – o ambiente e a carteira.

 

“Neste sentido, existem os certificados energéticos, que classificam o desempenho energético de uma casa ou edifício, numa escala de F (muito pouco eficiente) a A+ (muito eficiente), e apresentam medidas que podem reduzir o consumo de energia e melhorar o conforto térmico. Além disso, estes permitem ainda aceder a financiamento com melhores taxas, usufruir de benefícios fiscais em sede de IMI ou IMT, ou reduzir taxas para a reabilitação de imóveis”, explica a plataforma Casavo.

A plataforma digital para o mercado residencial partilha cinco dicas para obter o certificado energético. Tome nota: 

  1. Contactar um perito qualificado: “Apenas arquitetos ou engenheiros, com experiência mínima de 5 anos e reconhecidos pela Agência para a Energia (ADENE), entidade gestora do Sistema de Certificação Energética dos Edifícios, estão habilitados para avaliar e determinar a eficiência da casa e posteriormente emitir o documento, pelo que é importante assegurar que se consulta o perito adequado”;
  2. Pedir o orçamento: “O valor do registo e emissão do certificado energético varia consoante a dimensão da habitação e da utilização dos espaços (habitação ou comércio e serviços), sendo que a este valor se juntam os honorários dos peritos. Enquanto se mantiverem válidos, no período de dez anos para habitação, os certificados energéticos podem ser atualizados sem que seja necessário realizar um novo pagamento, sendo que o perito poderá cobrar honorários”;
  3. Agendar a visita do perito: “Depois de decidir qual o perito indicado, este terá de se deslocar à casa para a analisar e avaliar. Nesta visita, irá procurar recolher o máximo de informação possível para aferir a eficiência energética da casa e realizar o certificado”;
  4. Reunir a informação necessária: “Antes da visita, deve-se reunir toda a documentação referente ao imóvel, nomeadamente, uma cópia da planta do imóvel, a caderneta predial urbana, a certidão de registo na conservatória e a ficha técnica, que deve incluir especificações técnicas dos materiais e sistemas da casa”;
  5. Consultar a primeira versão do relatório: “É importante pedir para verificar a versão prévia do relatório e conferir os dados que constam no documento. Antes da emissão oficial, o perito pode enviar uma cópia, sem validade legal, para que o proprietário possa confirmar se está tudo de acordo com a visita”.

 

Ver noticia original
Como deseja contatar-nos?
Email